Aprender com todos!

O ACT – Aprender Com Todos é um projeto de intervenção e investigação socioeducativa promovido pela Faculdade de Educação e Psicologia e pela Área Transversal de Economia Social da Universidade Católica no Porto, e implementado no Agrupamento de Escolas Leonardo Coimbra Filho, Porto, nos anos letivos 2019/2020 e 2020/2021.

Enquadrado na abordagem territorial de Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), o projeto ACT, financiado pelo Norte 2020 e pelo Fundo Social Europeu, pressupõe o envolvimento de todos os agentes educativos e comunitários em prol da promoção do sucesso escolar e da prevenção do abandono precoce, reforçando medidas que promovem a equidade no acesso à educação, desde o pré-escolar ao 3º ciclo.

Assente nos princípios e objetivos da Estratégia de Desenvolvimento Local do Porto Ocidental, o projeto ACT visa contribuir ativamente para o alcance dos objetivos prioritários do Agrupamento de Escolas Leonardo Coimbra Filho, nomeadamente, garantir a inclusão de todos os alunos, melhorar a qualidade de ensino e da aprendizagem, operacionalizar o Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória (Despacho n.º 6478/2017, 26 de julho), promover o exercício de uma cidadania ativa e informada, e prevenir o abandono, absentismo e indisciplina dos alunos. Através de atividades de carácter criativo, expressivo e cívico, pretende-se reforçar as competências socioemocionais e académicas dos alunos, promotoras de maior envolvimento escolar, participação social e sucesso escolar.

Eixos de atuação

1

Prevenção das dificuldades de aprendizagem

Este eixo de ação visa uma abordagem preventiva e de intervenção precoce, de acordo com a abordagem multinível para a educação inclusiva.

Objetivos:
1) Potenciar o desenvolvimento integral
2) Prevenir as dificuldades de aprendizagem

2

Desenvolvimento Socioemocional

De acordo com o modelo CASEL (Collaborative for Academic and Social and Emotional Learning), este eixo de ação visa o desenvolvimento de várias competências socioemocionais (e.g., autoconsciência, autocontrolo, consciência social, relações sociais saudáveis e tomada de decisão responsável), que por sua vez permitem a prossecução de objetivos associados ao sucesso escolar.

Objetivos:
1) Aumentar a motivação académica
2) Aumentar o envolvimento escolar
3) Diminuir problemas de comportamento
4) Aumentar níveis de bem-estar psicológico

3

Aprendizagem Formal e Não Formal

Este eixo de ação visa reforçar a colaboração interinstitucional e interdisciplinar entre alunos, docentes e agentes da comunidade através da promoção de experiências de educação não formal na comunidade, assim proporcionando aos alunos formas mais motivadoras e significativas de aprendizagem académica e de desenvolvimento de competências pessoais e sociais.

Objetivos:
1) potenciar a aprendizagem académica e o desenvolvimento de competências dos alunos
2) mapear, reconhecer e valorizar os recursos e as práticas educativas existentes na comunidade

4

Disciplina e Cultura Escolar

Este eixo de ação pretende contribuir para a construção de uma visão e de uma vivência da escola como um espaço que pertence a todos, de corresponsabilidade e de co-construção.

Objetivos:
1) promover a disciplina (e prevenir a indisciplina) a partir do reforço de relações positivas e cooperativas entre docentes, alunos e funcionários
2) reconhecer o contributo de todos para a vida na escola e valorizar as competências e talentos de cada um

5

Direitos Humanos e Cidadania

O eixo visa sensibilizar, mobilizar e disseminar conhecimentos e práticas sobre os Direitos Humanos, promovendo a participação coletiva e o desenvolvimento de valores e competências essenciais para o exercício deuma cidadania ativa.

Objetivos:
1) criar uma cultura de reconhecimento e de ação para os direitos humanos na comunidade educativa
2) promover competências de cidadania ativa e participação nos alunos

6

Envolvimento Parental

De acordo com o modelo de envolvimento parental de Epstein (1995), este eixo de ação visa promover a comunicação escola-família e a cooperação escola-família.

Objetivos:
1) Promover a aproximação da família à escola e da escola à família
2) Potenciar o envolvimento positivo dos Encarregados de Educação (EE) no percurso escolar dos seus educandos; e consequentemente
3) Aumentar o envolvimento, motivação escolar e valorização da escola por parte dos alunos

7

Investigação

Transversal às seis medidas descritas anteriormente, este eixo tem como objetivo central a criação de mecanismos de monitorização e avaliação da eficácia, adequação e impacto das atividades propostas. Assim, serão criados protocolos de avaliação em função da atividade e programa específicos a avaliar, privilegiando metodologias quantitativas e qualitativas.

De ressalvar que para a avaliação e a monitorização de todos os processos e atividades implementadas junto dos vários atores educativos, todos as questões éticas e deontológicas serão salvaguardadas através do consentimento informado

Eixos de atuação

1

Prevenção das dificuldades de aprendizagem

Este eixo de ação visa uma abordagem preventiva e de intervenção precoce, de acordo com a abordagem multinível para a educação inclusiva.

Objetivos:
1) Potenciar o desenvolvimento integral
2) Prevenir as dificuldades de aprendizagem

2

Desenvolvimento Socioemocional

De acordo com o modelo CASEL (Collaborative for Academic and Social and Emotional Learning), este eixo de ação visa o desenvolvimento de várias competências socioemocionais (e.g., autoconsciência, autocontrolo, consciência social, relações sociais saudáveis e tomada de decisão responsável), que por sua vez permitem a prossecução de objetivos associados ao sucesso escolar.

Objetivos:
1) Aumentar a motivação académica
2) Aumentar o envolvimento escolar
3) Diminuir problemas de comportamento
4) Aumentar níveis de bem-estar psicológico

3

Aprendizagem Formal e Não Formal

Este eixo de ação visa reforçar a colaboração interinstitucional e interdisciplinar entre alunos, docentes e agentes da comunidade através da promoção de experiências de educação não formal na comunidade, assim proporcionando aos alunos formas mais motivadoras e significativas de aprendizagem académica e de desenvolvimento de competências pessoais e sociais.

Objetivos:
1) potenciar a aprendizagem académica e o desenvolvimento de competências dos alunos
2) mapear, reconhecer e valorizar os recursos e as práticas educativas existentes na comunidade

4

Disciplina e Cultura Escolar

Este eixo de ação pretende contribuir para a construção de uma visão e de uma vivência da escola como um espaço que pertence a todos, de corresponsabilidade e de co-construção.

Objetivos:
1) promover a disciplina (e prevenir a indisciplina) a partir do reforço de relações positivas e cooperativas entre docentes, alunos e funcionários
2) reconhecer o contributo de todos para a vida na escola e valorizar as competências e talentos de cada um

5

Direitos Humanos e Cidadania

O eixo visa sensibilizar, mobilizar e disseminar conhecimentos e práticas sobre os Direitos Humanos, promovendo a participação coletiva e o desenvolvimento de valores e competências essenciais para o exercício deuma cidadania ativa.

Objetivos:
1) criar uma cultura de reconhecimento e de ação para os direitos humanos na comunidade educativa
2) promover competências de cidadania ativa e participação nos alunos

6

Envolvimento Parental

De acordo com o modelo de envolvimento parental de Epstein (1995), este eixo de ação visa promover a comunicação escola-família e a cooperação escola-família.

Objetivos:
1) Promover a aproximação da família à escola e da escola à família
2) Potenciar o envolvimento positivo dos Encarregados de Educação (EE) no percurso escolar dos seus educandos; e consequentemente
3) Aumentar o envolvimento, motivação escolar e valorização da escola por parte dos alunos

7

Investigação

Transversal às seis medidas descritas anteriormente, este eixo tem como objetivo central a criação de mecanismos de monitorização e avaliação da eficácia, adequação e impacto das atividades propostas. Assim, serão criados protocolos de avaliação em função da atividade e programa específicos a avaliar, privilegiando metodologias quantitativas e qualitativas.

De ressalvar que para a avaliação e a monitorização de todos os processos e atividades implementadas junto dos vários atores educativos, todos as questões éticas e deontológicas serão salvaguardadas através do consentimento informado

Equipa

Lurdes Veríssimo

Sou psicóloga, docente e investigadora na área da psicologia da educação. Acredito profundamente que “a educação é a arma mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo” (Mandela). Inspirada por esta certeza, considero que APRENDER é um caminho que “se faz” com todos, sempre de forma recíproca e bilateral, promovendo mecanismos de desenvolvimento pleno e integral e que conduz ao potencial máximo de cada um.

Filipe Martins

Aquilo que nos torna humanos não é a capacidade de aprender, mas sim a capacidade de criarmos oportunidades de aprendizagem uns para os outros. Enquanto antropólogo e educador, é o estudo e a criação das melhores oportunidades de APRENDIZAGEM que me motiva. Entendo a educação como um direito humano fundamental que abre as portas a todos os outros direitos e, por isso, tenho-me envolvido e dinamizado diferentes projetos de investigação e de ação educativa na busca de percursos e contextos de aprendizagem que promovam a inclusão, a participação e o desenvolvimento de todas as pessoas, e em especial dos jovens mais vulneráveis.

Filipe Pinto

Nelson Mandela, símbolo da luta contra o regime segregacionista do Apartheid, afirmava que “ninguém se pode sentir satisfeito enquanto houver crianças que não recebem uma educação que lhes ofereça dignidade e o direito de viver as suas vidas completamente”. São mensagens e exemplos como estes que me movem e me têm feito dedicar a temas como o desenvolvimento, os direitos humanos e a educação. Sou docente e investigador na área da economia social. Ao longo da vida trabalhei, enquanto profissional e voluntário, em diversas organizações e projetos de intervenção e educação social. Tem sido nestes contextos que mais tenho aprendido, convicto que APRENDEMOS uns com os outros e que, enquanto comunidade realmente humana, a diversidade dos saberes nos completam.

Marisa Costa

Sou psicóloga e uma investigadora eclética, dedicando-me muito à área da psicologia da educação. Acredito que APRENDER resulta da interligação (não da soma, nem da multiplicação!) de diferentes circunstâncias, diferentes recursos/estratégias, diferentes emoções e diferentes relações. Por isso, motiva-me aprender cada vez mais sobre esta interligação, tendo como horizonte contribuir para o desenvolvimento transversal da comunidade educativa. Movida por esta crença e motivação, tenho estado envolvida em diferentes projetos que visam melhor conhecer os principais fatores do sucesso escolar e, de forma multifacetada, promover o ajustamento socioacadémico de crianças e adolescentes.

Isabel Castro

Sou Psicóloga júnior, mestre em psicologia da educação e do desenvolvimento humano. Fascina-me a complexidade do comportamento humano e todos os processos que lhe subjazem. Acredito no potencial da educação, de acordo com um paradigma verdadeiramente inclusivo, enquanto fator preponderante na promoção do desenvolvimento integral e positivo das comunidades educativas. Interesso-me e envolvo-me em projetos, pessoais e profissionais, que contribuam para garantir o acesso à educação e a oportunidades de APRENDIZAGEM significativa, particularmente em contextos multidesafiados.

José Oliveira

A educação pode mudar o mundo, mas mais importante, poderá fazer a diferença na vida de alguém. Preocupado e atento com a comunidade que me rodeia, desde cedo que me vejo envolvido em diferentes projetos e iniciativas que promovem a integração dos jovens, visando potenciar todas as suas capacidades e aptidões. Acredito que a EDUCAÇÃO não é só aquela que vem nos livros, mas sim aquela que passamos e absorvemos no nosso quotidiano. É tornar alguém capaz de criar algo novo em vez de repetir o que já foi feito!

Isabel Baptista

Professora e investigadora, especializada em Filosofia da Educação/Ética. Filha de professores e com quatro décadas de experiência docente, duas das quais em contexto universitário, a consciência da responsabilidade ética inerente aos processos de intervenção pedagógica na aventura, individual e coletiva, de APRENDER a ser humano, determinou, desde sempre, o meu percurso existencial, profissional e académico. Neste caso, com opção por um paradigma concetual indexado a valores de Alteridade/Hospitalidade e com foco nos seguintes domínios: Ética e Pedagogia (escolar e social); Ética e Investigação Científica; Éticas Organizacionais e Profissionais.

Parceiros

O ACT Aprender com Todos é um projeto de base comunitária que na operacionalização dos seus eixos de atuação conta com diversos parceiros da comunidade.

Ficha de Projeto

Designação do projeto
Planos Integrados e Inovadores de Combate ao Insucesso Escolar

Código do projeto nº
NORTE-07-4740-FSE-000637

Objetivo principal
Promover a integração social e combater a pobreza e qualquer discriminação

Região de Intervenção
Norte

Entidade Beneficiária
Universidade Católica Portuguesa

Data de aprovação
23/07/2019

Data de início
01/10/2019

Data de conclusão
31/08/2021

Custo total elegível
476.722,78 euros

Apoio financiamento da União Europeia
FSE – 405.214,36 euros

Apoio financiamento público nacional/regional
71.508,42 euros

Objetivos Gerais
Com a colaboração de uma equipa multidisciplinar e de diferentes parceiros da comunidade, o projeto ACT contribuirá para:

1) Promover medidas de promoção de sucesso escolar transversais aos diferentes níveis de ensino numa abordagem multinível;

2) Investir na intervenção precoce e preventiva de dificuldades de aprendizagem;

3) Potenciar a participação colaborativa das instituições da comunidade na promoção do sucesso escolar;

4) Envolver as associações de pais e encarregados de educação na promoção do envolvimento escolar dos alunos e do sucesso educativo;

5) Dinamizar programas de aprendizagem não formal em articulação com abordagens formais, de forma a potenciar processos de aprendizagem e desenvolvimento;

6) Estimular competências socioemocionais e de autorregulação da aprendizagem nos estudantes, por forma a potenciar o sucesso educativo;

7)Potenciar uma cultura escolar positiva e prevenir a indisciplina a partir do reforço de relações positivas e cooperativas entre docentes, alunos e pessoal não docente;

8) Avaliar o impacto dos programas e das medidas no sucesso escolar;

9) Disseminar boas práticas ao nível da promoção do sucesso escolar.